banner head

InícioNotíciasGeralCâmara de Araraquara pede arquivamento de proposta de abertura do comércio aos...

Câmara de Araraquara pede arquivamento de proposta de abertura do comércio aos domingos

Presidente do Sincomerciários declara ser contrário a medida e afirma que não há interesse para o pequeno empresário

A proposta de uma lei permitindo o comércio abrir as portas aos domingos foi considerada prematura e devolvida com parecer contrário pedindo o arquivamento à Prefeitura. A decisão foi anunciada nesta quinta-feira, dia 26, pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Urbano Ambiental, da Câmara Municipal de Araraquara, durante uma entrevista coletiva. Representantes dos Sindicatos do Comércio e dos Comerciários também deram suas opiniões.

“Sem um estudo técnico de qual serão os impactos na sociedade caso o comércio abra aos domingos estamos devolvendo a minuta do assunto. A frota de ônibus é menor e o efetivo da segurança pública também. Isso sem falar do impacto social nas famílias dos comerciários, pois até onde se tem informação, eles não foram ouvidos e antes de qualquer decisão é preciso uma ampla discussão sobre o assunto”, diz o presidente da Comissão vereador William Affonso (PDT), ao lado dos membros, Édio Lopes (PT) e Adilson Vital (PV).

Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio), Antônio Deliza Neto, cabe ao município o funcionamento da cidade, por isso a necessidade da alteração de uma lei que impede o trabalho do comércio ao domingo. “Nós defendemos a legalidade e achamos por bem colocar isso em discussão porque a lei está defesada”, afirma Deliza frisando a sondagem de algumas empresas interessadas em se instalar na cidade, mas com abertura ao domingo.

Por outro lado, o presidente do Sincomerciários, José de Matos Filho, é contra a medida porque não há interesse para o pequeno empresário. “Quem tem quadro para fazer revezamento são as grades redes, somente eles.” O sindicalista ainda questiona a determinação que troca o trabalho do domingo com folga na segunda-feira. “São 12 mil trabalhadores que terão sua vida afetada por uma decisão sem contar as famílias.”

Deliza acredita que a folga é, sim, aos domingos, mas é preciso abrir a possibilidade para grandes empresas. Atualmente, caso o empresário opte por trabalhar no dia precisa de uma negociação coletiva específica envolvendo os dois Sindicatos. Se a medida entrar em vigor, no futuro, o comerciante teria a liberdade de escolher ficar aberto ou não, mesmo assim precisaria cumprir o acordo estabelecido na convenção coletiva dos Sindicatos garantindo folga posterior e a remuneração extra.

“Não queremos trabalhar no domingo. O descanso remunerado é o domingo e não abrimos mão disso, agora nós não poderemos abrir mão desta lei que vai abrir e facultar a iniciativa privada em Araraquara. A Câmara não vai colocar o projeto e esse é um problema da Câmara Municipal. Se quer deixar a margem da lei, não tem problema. Nós fizemos nosso trabalho pela legalidade e pela oportunidade da geração de empregos”, informa Deliza lembrando que o funcionamento da empresa é uma coisa e do trabalhador é outra.

 

Decisão divide opiniões nas ruas

Nas ruas do comércio de Araraquara o assunto ganha opiniões distintas. A doméstica Ana Maria é contra a abertura porque é preciso pensar no descanso dos comerciários que por tradição é aos domingos. Para a empacotadora Lidiane Alves, a proposta é horrível. “É o único dia para passar com a família e se a folga for durante a semana ficaremos sozinhos.” Situação semelhante do vendedor Maicon Óliver Faria da Silva: “Já trabalhamos até tarde no sábado e acredito não ser necessário.”

Por outro lado, a funcionária pública Idenir Aparecida Rapatão aprova a ideia para atender os consumidores sem tempo de ir ao comércio durante a semana. A dama de companhia Armelinda Soares também gosta da proposta. “Aos domingos pode ser melhor para fazer compras, mas para quem trabalha a semana toda é complicado porque eles merecem o descanso.”

Dona de uma loja de roupas na Rua Nove de Julho, no Centro, a comerciante Rosana Chan não acredita ser viável a iniciativa descrita pelo Sincomércio. Na visão dela, o movimento comprovado é somente nos sábados de pagamento e do vale, o restante a demanda de compras não vale a pena. “Eu teria que contratar mais uma pessoa, pagar hora extra para as funcionárias. Para mim, não compensaria abrir aos domingos.”

 

Câmara Municipal – Setor de Comunicação

 

Artigos relacionados
- Anúncio -
Radio Ao Vivo

Mais lidas